Quarentena: e agora?

Nas últimas semanas, muitas famílias em todo o País subitamente se viram em uma nova situação: caótica e completamente diferente da realidade de todos! O que vemos são pais batalhando e se esforçando para proteger suas famílias, lidando com escolas fechadas, filhos assustados, confusos e cheios de energia para gastar em casa e ainda tendo que trabalhar em regime de home office.

Com as rotinas interrompidas e as famílias concentradas dentro de casa, o primeiro conselho é: mantenha a calma! Mesmo assim, podem surgir, ou se exacerbar, sintomas de ansiedade, frustração, depressão ou mau humor.

zara muzafarova | depositphotos.com

Essa pandemia não causou uma transição suave dos adultos e crianças para a vida doméstica – ao contrário, começou de repente, como uma montanha russa mental e emocional, cheia de altos e baixos. E todos devem estar se perguntando: como administrar tudo isso? Em que horário poderei trabalhar? Como manter as crianças ocupadas e felizes o dia todo?

É essencial que os pais sejam realistas sobre as horas que poderão trabalhar em casa, além de se concentrarem principalmente nos filhos, que são a maior prioridade, para que não se sintam ignorados, desvalorizados ou, para chamar a atenção, busquem por atividades perigosas. Pais e cuidadores podem tentar trabalhar durante a hora do almoço dos filhos, das sonecas e quando estão distraídos com as telas.

Caso não tenham um lugar próprio para trabalharem em casa, os adultos devem se fixar em algum cômodo que, idealmente, seja silencioso e tranquilo e, em sua porta, podem combinar com os filhos o uso de sinalização para indicar se podem ou não ser interrompidos. Por exemplo, um sinal de trânsito (vermelho ou verde) ou um polegar para cima ou para baixo.

E, não menos importante, devem fazer curtos intervalos enquanto trabalham (para cada hora trabalhada, parar por 10 minutos). Embora possam se sentir pressionados a se estender mais nas atividades profissionais, precisam se desconectar para poder preparar uma refeição e estar com os filhos.

Não há problema algum em ser transparente com os colegas e deixar claro que tem que lidar também com as crianças – se durante uma teleconferência algum deles chamar ou precisar de você, basta avisar seus colegas que está saindo por um tempo breve e retornará depois. E nunca é demais oferecer suporte ou cobertura a outro colega que também esteja precisando – isso é solidariedade!

Para tentar aliviar as tensões, os pais podem trabalhar em turnos – revezando-se entre supervisionar as crianças, trabalhar e realizar as tarefas diárias – além de ter um momento só para o casal todos os dias, para conversar, planejar e ouvir as preocupações um do outro, num local longe das crianças.

É importante manter os filhos informados sobre o que está acontecendo no mundo – melhor que saibam da pandemia e das mortes que ela está causando, do que receber de repente a notícia que alguém próximo faleceu devido ao novo coronavírus.

___
Relatora:
Dra. Renata D. Waksman
Coordenadora do blog Pediatra Orienta da SPSP para a Voz do Blog
1ª Vice-presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo


Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.