Método canguru no cuidado do bebê prematuro

O método canguru é uma maneira de cuidar de recém-nascidos prematuros e/ou com peso menor que 2.500 gramas. Trata-se de atenção qualificada e humanizada que melhora o cuidado à criança com grande preocupação com o ambiente e participação dos pais e da família nos cuidados neonatais.

No útero, o feto está numa condição ideal para seu desenvolvimento, contido pela parede uterina, envolto no líquido amniótico e com poucos estímulos visuais e auditivos. Quando ocorre o nascimento prematuro, esse processo se interrompe, a criança é separada de sua mãe e vai, frequentemente, para a incubadora aquecida, na Unidade Neonatal, onde tem muita luminosidade, barulho, equipamentos, monitores, procedimentos dolorosos e outros estímulos desagradáveis. Toda essa tecnologia utilizada é fundamental para a sobrevida da criança. Mas, podemos fazer tudo isso de forma diferente do tradicional e principalmente de forma individualizada?

goodolga | depositphotos.com

Sim, e o método canguru propõe que na Unidade Neonatal se dê continuidade àquilo que estava acontecendo no útero.

O método canguru propõe:
• acolhimento aos pais durante a internação da criança, permitindo que eles permaneçam com seu filho o maior tempo possível. Os pais devem ter livre acesso à unidade e precisam se empoderar de seu filho, vivenciar sua rotina e dar os cuidados, tais como troca de fraldas, banho, etc. Recomenda-se, também, a visita de irmãos, avós e familiares próximos.
• controle do ambiente com a redução da luminosidade, de ruídos e de outros estímulos desagradáveis. O ambiente deve ser o mais acolhedor possível e minimizar os estímulos que possam provocar dor ou desconforto ao recém-nascido.
• contato pele a pele, que começa de forma precoce e crescente desde o primeiro toque dos pais em seu filho até a posição canguru. Ela consiste em manter a criança em contato pele a pele, somente de fraldas, na posição vertical junto ao peito do pai/mãe e pelo tempo máximo que ambos entenderem ser prazeroso e suficiente. Deve ser realizada de maneira orientada e acompanhada por uma equipe de saúde capacitada. A criança deve estar com quadro médico estável, mas pode ser colocada nessa posição mesmo se estiver com suporte respiratório.
• posicionamento adequado, deixando-a em flexão e em linha média. Isso pode ser obtido com o uso de rolinhos, fraldas e uma equipe treinada.

As vantagens do método canguru:
• redução do tempo de separação mãe/pai-filho;
• facilitação do vínculo afetivo pai-mãe-filho;
• estímulo ao aleitamento materno;
• controle térmico e estimulação sensorial adequados;
• redução do risco de infecção hospitalar;
• redução do estresse e dor;
• melhor relacionamento da família com a equipe de saúde;
• maior competência e confiança dos pais no cuidado do seu filho.

Em resumo, mais do que regras estabelecidas, o método canguru não pode ser visto como um privilégio, mas um direito adquirido de todo recém-nascido. Trata-se de uma política pública garantida pela Portaria Ministerial n° 1.683/2007 e n° 630/2012.

Relator:
Dr. Sérgio Marba
Departamento de Neonatologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo


Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.