Como cuidar de pacientes com diabetes mellitus tipo 1 em tempos de coronavírus

Devido à pandemia mundial de Covid-19, muitas famílias que têm crianças e adolescentes com diabetes estão preocupadas. Vamos tentar esclarecer as principais dúvidas que temos recebido dos nossos pacientes.

public domain pictures | pixabay.com

Meu filho com diabetes mellitus tipo 1 (DM1) tem maior risco de pegar a doença ou de ter complicações mais graves?

A maioria dos resultados publicados até agora cita dados que relacionam pacientes portadores de diabetes tipo 2, que são mais idosos, e apresentam, frequentemente, outras condições de risco associadas – pressão alta, doenças do coração e obesidade. Não há, até o momento, dados específicos sobre pacientes com DM1. O que sabemos, com certeza, é que o risco está associado a valores elevados de glicemia (açúcar no sangue). Ou seja, nessa fase o mais importante é manter um bom controle do diabetes. Aproveite que as famílias estão mais unidas em casa e faça o melhor controle possível, medindo e aplicando insulina mais vezes ao dia.

Quais são as medidas para diminuir a chance de contaminação?

As orientações são as mesmas que as passadas para população geral: lavar as mãos frequentemente ou usar álcool gel, manter distanciamento social, etc.

Como cuidar de uma gripe leve – coriza, tosse, febre baixa?

• Evite hospitais, tente se cuidar em casa;
• Tosse e coriza: trate conforme orientações habituais do seu médico;
• Febre baixa: pode ser controlada com uso de dipirona ou paracetamol (evitar Ibuprofeno).

Quando procurar um pronto-socorro por causa da gripe?

Sempre que apresentar falta de ar, febre persistente ou queda do estado geral.

 Como controlar o diabetes se tiver gripe com sintomas leves?

• Monitorar a glicemia e aplicar insulina mais vezes ao dia, se necessário;
• Tentar manter os valores de glicose entre 70-200 mg/dL;
• Pedir auxílio para ajustar as doses de insulina se necessário;
• NUNCA deixar de aplicar insulina – quando há febre e/ou qualquer infecção é comum precisar aumentar as doses de insulina;
• Tomar bastante água;
• Se tiver tiras para medir a cetona, checar se está abaixo de 0,6 mmoL/L (caso esteja acima, pedir orientações para seu médico).

Sinais de alerta de descompensação do diabetes para procurar orientação médica urgente*

• Febre e vômito persistente e/ou perda de peso contínua;
• Sinais de desidratação, como boca seca e olhos fundos;
• Hálito de fruta estragada, sinal de cetose – pode ser confirmado com medidas no sangue ou urina;
• Falta de ar importante, respiração muito rápida, dor abdominal intensa

* Estes sintomas podem acontecer em qualquer paciente portador de DM1 que esteja com glicemia muito alta ou por outros motivos, como falta de aplicação de insulina ou abuso de alimentação.

Observações importantes

• As autoridades estão orientando a deixar de ir à consulta médica nesse período. Só vá ao consultório ou ambulatório se a criança estiver com as glicemias muito altas e você não conseguir falar com seu médico (telefone, WhatsApp ou e-mail) ou com o serviço de saúde.
As receitas e laudos (LME) para retirada de medicamentos terão validade aumentada por 90 dias durante a pandemia, portanto não há necessidade de ir à consulta para pegar esses papéis. (NI 20/03 – N1/2020SCTIE/GAB/SCTIE/MS).
Se você precisa trabalhar e tem filhos com DM1, tome alguns cuidados:
– Ao chegar em casa, deixar sempre o calçado do lado de fora;
– Tirar imediatamente as roupas utilizadas na rua e colocar em bacia com água e sabão;
– Higienizar imediatamente as mãos e celular ao entrar em casa.

Mensagem final

• Não se esqueça de tomar a vacina de gripe (influenza). Ela protege contra influenza, doença muito comum nesta época;
• Aproveite essa fase para melhorar sua alimentação;
• Tente manter a prática de atividade física diariamente, respeitando as orientações e quarentena vigentes (há várias maneiras de se exercitar em casa!).

___
Relatores:
Dra. Renata Maria de Noronha
Dr. Luis Eduardo Calliari
Departamento Científico de Endocrinologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo


Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.