Tempo quente e piscina andam de mãos dadas

No verão, muitas pessoas aproveitam os dias ensolarados para se divertir nas piscinas. Mas alguns cuidados precisam ser tomados para garantir a segurança das crianças. O afogamento é a segunda causa de morte acidental em crianças, só perdendo para acidentes relacionados a trânsito e transporte. É um acontecimento trágico, rápido e silencioso. Além de manter a piscina limpa, é preciso mantê-la segura.

Abaixo listamos as principais regras de segurança em piscinas, para serem aplicadas em casa ou nos clubes:

Boias redondas são perigosas, pois podem virar. Coletes salva vidas certificados e com tamanho adequado para a idade são seguros para crianças pequenas, mas não dispensam a supervisão de um adulto.

• Nunca deixe seu filho nadar sozinho sem supervisão de um adulto. Podem ocorrer cãibras ou contusões em mergulhos. Muitos acidentes acontecem por mergulho em piscina rasa.
• Crianças menores de 4 anos devem estar acompanhadas por um adulto dentro da piscina, à distância de apenas 1 braço esticado do adulto.
• Aprenda a nadar e ensine suas crianças também, mas mesmo assim o cuidado deve continuar. As estatísticas mostram que muitos acidentes em piscina ocorrem com crianças que sabiam nadar, por terem perdido o fôlego em piscinas grandes e terem entrado em pânico.
• Cerque a área da piscina, fechando o acesso com um portão que não possa ser aberto por uma criança, e ponha alarme sonoro.
• Cubra completamente a piscina quando não estiver em uso e retire todos os brinquedos da área, para não atrair crianças.
• A área da piscina deve ter piso antiderrapante. Ainda assim, evite correr e ensine as crianças a usar a escada para entrar e sair.
• Boias redondas são perigosas, pois podem virar. Coletes salva vidas certificados e com tamanho adequado para a idade são seguros para crianças pequenas, mas não dispensam a supervisão de um adulto.
• Evite brincadeiras violentas, de luta ou “cavalinho” ou o famoso “caldo”. Explique o porque dessa atitude, priorize segurança.
• É importante manter um telefone próximo da piscina para casos de emergência, além de equipamento básico de salva vidas. Faça um curso de Suporte Básico de Vida. Ensine as crianças maiores a fazer reanimação com as compressões torácicas. Pré adolescentes e adolescentes são perfeitamente capazes de executar as manobras corretamente.
• Oriente e supervisione a profundidade da água. A criança deve tocar o pé no chão e não ficar com água acima do peito.
• Atenção para a sucção. Alguns tipos de ralos podem sugar cabelos, roupas e até mesmo braços e pernas, levando ao afogamento.
• Evite aparelhos eletrônicos próximos à piscina pelo risco de choque.
• Ao menor sinal de mudança de tempo, saia imediatamente da área da piscina, para evitar acidentes com raios.
• Atenção para áreas danificadas. Providencie o conserto rapidamente. Bordas com acabamentos quebrados ou lascados podem provocar cortes e lacerações.

___
Relator:
Departamento Científico de Segurança da SPSP.

Publicado em 14/01/2016.
photo credit: JonKline | pixabay.com

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On