Seu filho está crescendo muito rápido? Saiba mais sobre os picos de crescimento

Os bebês não crescem e se desenvolvem de forma equilibrada – em períodos específicos, os pequenos passam por “explosões súbitas” de crescimento. E isso não é necessariamente ruim, uma vez que esses picos geralmente duram apenas dois ou três dias, com sintomas que incluem fome quase insaciável e comportamento irritadiço.

O Dr. José Gabel, secretário do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) afirma que, em geral, um bebê tem cerca de cinco surtos de crescimento no primeiro ano de vida, ocorrendo às 2 – 3 semanas de vida; 4 – 6 semanas; 8 semanas; 3 meses; 4 meses; 6 meses e, por fim, aos 9 meses. Como não há regras, é possível, ainda, que a criança manifeste outros durante todo seu crescimento, inclusive até a adolescência.

Nestes períodos, as mães conseguem notar que o padrão de alimentação dos filhos se torna mais intenso e os bebês tendem a dormir mais do que o habitual, em horários alternados. “Durante os picos, os bebês provavelmente comerão e dormirão mais do que de costume. Pode deixá-los tirar cochilos extras e também oferecer mais comida”, comenta o pediatra.

Os bebês passam a solicitar mais mamadas que o usual, como forma de compensar e crescer no ritmo acelerado de seu metabolismo. As mães que amamentam ficam receosas em não ter leite suficiente para satisfazer a vontade dos filhos, porém o Dr. Gabel reitera que as mulheres produzem mais do alimento quando o bebê mama mais, por isso não há motivo para preocupação. “Respeitar esta demanda é essencial para suprir todas as necessidades dos bebês no período”, destaca o pediatra.

Geralmente, os picos de crescimento não manifestam sinais óbvios, mas é possível identificá-los através dos sintomas nas alterações ao nível do sono, comportamento e alimentação. “Pela pesagem e medidas do comprimento, assim como do perímetro cefálico, também é possível perceber que o bebê cresceu e aumentou seu peso em ritmo consideravelmente superior ao normal”, explica o Dr. Gabel.

O sono da criança fica completamente desregulado – muitos acordam de hora em hora, dormem em horários trocados e, por conta disso, podem ficar irritados. Todos os bebês passam por essa fase, mas alguns tendem a não manifestar os sintomas usuais. “É muito importante que os pais lidem pacientemente com os filhos durante essa fase, pois é passageira e o comportamento dos pequenos tende a normalizar após esses curtos períodos de tempo. Atender às demandas de alimentação e sono também é essencial para que as crianças possam se desenvolver saudáveis”, conclui o pediatra.

___
Texto produzido pela assessoria de imprensa da SPSP.

Publicado em 17/03/2017.
photo credit: platinumportfolio | Pixabay.com

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On