O que é microcefalia?

Microcefalia

À esquerda, criança com a cabeça com tamanho normal, à direita, criança com microcefalia

O presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) explica a doença que se tornou uma epidemia no Nordeste.

A microcefalia é um agravo neurológico no qual a cabeça é menor do que o normal para a idade cronológica da criança ou idade gestacional do feto e geralmente ocorre como consequência do menor crescimento do cérebro. É uma das causas de deficiência neurológica, cegueira, convulsões, oligofrenia (retardo do desenvolvimento mental) e surdez, entre muitas outras. A criança pode nascer com o crânio de tamanho normal mas, após o nascimento, o cérebro não cresce como deveria e o crânio vai ficando pequeno para o tamanho e a idade da criança. Isso pode ser constatado pelo pediatra nas consultas de Puericultura.

Quando detectada durante a gestação, ou logo após o nascimento, ela é classificada como congênita, podendo estar relacionada a síndromes genéticas, doenças da placenta, exposição do feto a doenças sofridas pela gestante (como diabetes mal controlado, hipotireoidismo e infecções, das quais as mais conhecidas são citomegalovírus, rubéola e toxoplasmose) ou substâncias à qual ela foi exposta (como álcool em qualquer quantidade e irradiações). As manifestações clínicas são bastante variáveis, dependendo do que causou a microcefalia e do período da gestação no qual o feto foi exposto.

Ela pode se apresentar isoladamente ou associada a outras malformações, mas sempre prejudica o desenvolvimento da criança, ou seja, da sua capacidade de adquirir habilidades necessárias para a vida cotidiana. A microcefalia não tem cura e todas as ações de tratamento objetivam minimizar suas consequências.

O número de casos de microcefalia em recém-nascidos já ultrapassou 700, em oito estados do Nordeste (Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Rio Grande do Norte, Piauí, Alagoas, Ceará, e Bahia) e Goiás. Foi confirmada, no último sábado, dia 28, a relação entre o zica vírus e os casos de microcefalia. O Instituto Evandro Chagas identificou a presença do zica vírus em amostras de sangue e tecidos de um bebê, nascido no Ceará. Na nota o ministério reforçou a mobilização para conter o mosquito transmissor, o Aedes aegypti.

___
Relator:
Dr. Mário Roberto Hirshheimer

Presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Publicado em 3/12/2015.
photo credit: Divulgação

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On