Cuidados com a cabeça do bebê

medium_5347158176Tanto quanto o choro, o umbigo e a amamentação, outra grande preocupação dos pais com o seu bebê é o cuidado com a cabeça. Ao nascer, o osso da cabeça do bebê está separado por linhas, chamadas de suturas e duas aberturas no alto, a fontanela anterior e a posterior, conhecidas como moleiras.

As principais funções das suturas e das fontanelas são de facilitar a passagem do bebê na hora do parto e permitir o crescimento adequado do cérebro. Mais tarde, a própria natureza tratará de fechá-las.

O formato da cabeça pode variar conforme a característica familiar. Após o nascimento, é comum a cabeça do bebê apresentar pequenas deformações que são devidas à compressão da calota craniana no momento do parto. Entretanto, em torno de 7 a 10 dias, o formato da cabeça volta ao normal.

No primeiro ano de vida, o cérebro alcança metade da dimensão que terá no adulto e termina seu crescimento ao final do segundo ano de vida. A fontanela anterior é maior que a posterior e a que mais demora a fechar. Mede cerca de dois dedos de largura e seu fechamento ocorre em torno do 9º ao 15º mês de vida. A outra fontanela, menor, costuma estar fechada até o 2º mês de vida.

A cranioestenose ou craniossinostose é o fechamento prematuro de uma ou mais suturas cranianas. A forma do crânio se modifica, devido ao impedimento do crescimento normal do cérebro. Esse fechamento precoce pode causar deformidades na cabeça e até graves lesões neurológicas.

É mais comum no menino e estima-se que ocorra um caso de cranioestenose para cada 2.000 crianças nascidas. A doença é congênita, iniciando-se na fase de embrião. Pode ser de causa hereditária, intrauterina ou infecciosa. Também pelo uso de certos medicamentos durante a gravidez, como alguns anticonvulsivos.

O diagnóstico é feito pelo exame físico da cabeça do bebê, complementado com o exame radiológico e avaliação por neuroimagem. Estes exames permitem a constatação da sutura fechada e das possíveis malformações dos ossos da face e/ou do sistema nervoso que possam ter.

Deve ser tratada antes do 8º mês de vida, mas é importante que o diagnóstico seja firmado até o 2º mês, para permitir um acompanhamento neurológico mais aprofundado. O tratamento é cirúrgico: são criados espaços ou suturas no osso do crânio, com resultados satisfatórios.

A CONSULTA REGULAR COM O PEDIATRA NO PRIMEIRO ANO DE VIDA DA CRIANÇA AJUDA A FAZER O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A DEFINIR O MELHOR TIPO DE TRATAMENTO.

___

Relatora:
Dra. Monica de Souza Bomfim Pinheiro
Membro do Departamento Científico de Neonatologia da SPSP.

Publicado no site da SPSP em 01/08/2007.
photo credit: covershots2010 via photopin cc

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On