Álcool na adolescência: as causas e riscos do alcoolismo precoce

dreamstime_xs_41966822Problemas constantes em famílias com jovens (especialmente entre 15 e 20 anos), o alcoolismo na adolescência pode ser resultado de diversos tipos de influência externa. Sentem-se instigados ao observar outras pessoas beberem – amigos mais velhos, familiares e conhecidos – e iniciam precocemente a ingestão de bebidas alcoólicas.

Segundo a Dra. Elizete Prescinotti, secretária do Departamento de Pediatria e Adolescência da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), essa influência em seu ambiente acarreta maior tolerância ao álcool pelos adolescentes, que arriscam ingerir grandes quantidades antes de sentir os efeitos negativos da bebedeira, como sonolência, falta de coordenação e ressaca. “Esse cenário pode ajudar a explicar as altas taxas de consumo excessivo entre os jovens. Os adolescentes parecem ser particularmente sensíveis aos efeitos positivos do consumo alcoólico, sentindo-se mais desinibidos em reuniões sociais e acreditando, assim, que as experiências sociais são mais positivas, como se fosse algo benéfico. Tudo isso por falta de informação, que seria a principal forma de prevenir o alcoolismo”, explica Dra. Elizete.

Ainda segundo a pediatra, o início precoce do consumo de álcool envolve um grande risco à saúde dos jovens, principalmente pela alta quantidade ingerida em um curto espaço de tempo, fenômeno chamado de “beber em binge”. Como o cérebro ainda está em desenvolvimento durante a adolescência, a ingestão da bebida pode alterar e influenciar negativamente em sua evolução. “O fato de você beber excessivamente, em um curto espaço de tempo, reduz consideravelmente a sua percepção do ambiente em geral, aumentando o risco de acidentes, principalmente ao volante. Essa perda da percepção também culmina no descuido para uma relação sexual segura, deixando de lado o uso de preservativos, sob o risco de uma gravidez indesejável ou, até mesmo, de se adquirir alguma doença sexualmente transmissível”, comenta a hebiatra.

Reverter o quadro de alcoolismo requer acompanhamento médico e tratamento ainda não disponível pelo sistema público de saúde, por isso Dra. Elizete reforça que a prevenção é a melhor forma de combate, com o auxílio do hebiatra, que tem a seu favor o conhecimento de longo prazo do paciente e de sua família e, por essa razão, pode notar quaisquer alterações significativas no adolescente. “O hebiatra é o profissional da linha de frente que pode contribuir para reduzir as taxas alarmantes, auxiliando os pais a assumirem um papel ativo junto aos adolescentes, de modo que eles desenvolvam ferramentas sociais e criem senso de responsabilidade pessoal, evitando assim o início do consumo de alcoól e até mesmo substâncias psicoativas mais pesadas”, conclui a médica.

___
Texto produzido pela assessoria de imprensa da SPSP.

Publicado em 15/09/2016.
photo credit: Syda Productions | Dreamstime.com

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On