A transição entre aleitamento materno e dieta sólida

Pediatras explicam quando e como deve ser feita a introdução de alimentos na pequena infância.
Por Dra. Cátia R.B Fonseca e Dr. Yechiel Moises Chencinski

A recomendação da Organização Mundial de Saúde, da Sociedade Brasileira de Pediatria e do Ministério da Saúde é que o aleitamento materno seja exclusivo e em livre demanda desde a sala de parto até o sexto mês de idade, estendido até 2 anos ou mais. E, mesmo que a criança esteja em aleitamento misto ou só recebendo fórmula, se mantém a introdução de alimentos aos 6 meses de vida, devido a alguns fatores importantes ligados ao desenvolvimento do pequeno que só acontecem nessa fase, como:

  • Perder o reflexo de colocar a língua para fora (a protrusão de língua)
  • Já começar a se sentar, ao menos com apoio
  • Ter condições de mastigar, mesmo sem os dentes

A oferta adequada da alimentação complementar, também chamada de alimentação de transição, é definida como a introdução de alimentos sólidos em adição ao leite materno.

A transição entre “beber” (mamar) e “comer” a comida não requer pressa, deve ser feita paulatinamente, mas se mostra imprescindível para as crianças aos 6 meses. O seu início antes ou muito após essa idade pode gerar carências ou excessos alimentares, contribuindo tanto para deficiência de nutrientes e desnutrição como para sobrepeso e obesidade infantil. É importante lembrar que, mesmo após os 6 meses de idade, o leite materno ainda é um alimento importante para a criança e portanto deve ser mantido até o desmame natural.

Não é recomendado o uso de liquidificador, mixer ou peneira para facilitar a aceitação de papas e das frutas, uma vez que o nenê já está preparado para mastigar, engolir e fazer a digestão dos alimentos que serão introduzidos cozidos e amassados ou desfiados (as carnes), ou crus, raspados e amassados (alguns legumes e frutas).

A alimentação da criança vai garantir aporte suficiente de energia (calorias), proteínas e também de micronutrientes (vitaminas, ferro e minerais). As quantidades de açúcar e sal também precisam ser observadas, já que os hábitos alimentares adquiridos nessa fase normalmente se mantêm e poderão levar a problemas futuros. O açúcar não deve fazer parte da alimentação da criança no primeiro ano de vida, bem como alimentos com corantes e conservantes. O sal, por sua vez, deve ser usado com muita moderação.

Todos esses cuidados levarão a um excelente crescimento e desenvolvimento da criança, além de atuar numa formação adequada dos dentes, da musculatura da face (e a capacidade de mastigar), bem como evitar problemas como as cáries.

É importante alertar os pais que hoje em dia não é considerada adequada a oferta de frutas na forma de sucos, mas sim o consumo in natura, pois a bebida terá uma concentração muito maior de calorias e também não irá auxiliar no desenvolvimento da mastigação e deglutição da criança.

___
Texto produzido por Dra. Cátia R.B Fonseca e Dr. Yechiel Moises Chencinski para o site SAÚDE.
Link original: http://saude.abril.com.br/blog/experts-na-infancia/a-transicao-entre-aleitamento-materno-e-dieta-solida/

Dra. Cátia R.B. Fonseca é presidente do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP). Dr. Yechiel Moises Chencinski é presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da SPSP e membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da SPSP.

Publicado em 7/02/2017.
photo credit: PublicDomainPictures | Pixabay.com

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On