A Pediatria, a propaganda do álcool na mídia e o Dr. Bartô

DrBartoSão Paulo já é Ambiente Fechado Livre do Tabaco (AFLT) desde 2009, com diminuição das doenças relacionadas ao tabagismo passivo. Mesmo assim o Brasil tornou-se AFLT apenas no final de 2014. O lobby da indústria e o descaso de políticos e politiqueiros custou-nos quatro anos de atraso. Além da lei, o aumento do preço do tabaco, a proibição da propaganda, e o tratamento gratuito nos levaram a diminuição do consumo de cigarros em 50% e a sermos o quarto país no mundo em numero de ex-fumantes.

Em estudo patrocinado pela pró-reitoria de Cultura e Extensão da USP, comprovamos que o uso das drogas lícitas se inicia aos 10 anos de idade, e no último ano do ensino médio, 25% dos jovens está fumando, 59% está bebendo (álcool), 20% já usou maconha e 5% já experimentou o crack.

Tudo é muito precoce e 25% de jovens fumantes em escolas públicas no bairro do Butantã é um número bem superior ao de maiores de 18 anos fumantes (11 a 14%). Ou seja, há um risco de voltarmos para trás no quesito tabaco.

Os parágrafos acima fazem parte de um texto escrito pelo Dr. João Paulo Becker Lotufo, membro da Sociedade de Pediatria de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Pediatria, e pelo Dr. Eduardo Vaz, presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria. O artigo é favorável à retirada da propaganda de bebidas alcoólicas em horários de crianças e adolescentes assistirem a mídia e o Dr. Lotufo é responsável pelo projeto Dr. Bartô para prevenção de drogas no ensino fundamental e médio.

Leia o artigo na íntegra no site do Dr. Bartô: www.drbarto.com.br/pediatria-propagando-drbarto.html.

___
Publicado em 5/02/2015.

Este blog não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente o médico pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

Author: SPSP

Share This Post On